A História do Projeto Dafe

A História do Projeto Dafe 

Por: José Armando Valente
Ano: 2006

Em 1991, pesquisadores do Nied iniciaram o contato com a empresa Delphi-Harrison Thermal Systems, em Piracicaba, visando a utilização da informática para a criação de ambiente de aprendizado na fábrica. Levando-se em conta as necessidades dos operários deveriam ser utilizados softwares com características voltadas para facilitar o processo de compreensão e construção do conhecimento.

Desde o primeiro contato com a empresa, em 1991, até o final do ano de 1996, o trabalho consistiu em entender as ações que os operários realizavam nos seus postos de trabalho e os conceitos envolvidos nessas ações. Com base nessa compreensão e juntamente com operários que a empresa designava para atuar no projeto, foram desenvolvidos diversos softwares como o Jogo do Alvo, cujo objetivo é o de explorar o conceito de CEP – Controle Estatístico de Processo (Fernandes et al., 1996); Enxuto, que permite a modelagem e simulação de sistemas de manufatura (Borges et al., 1995); e Jonas, um sistema especialista cuja função não é ensinar, mas ser usado em conjunto com o sistema Enxuto para dar suporte à formação sobre processos de manufatura (Borges et al., 1995).

Em 1997, teve início o projeto “Dinamização da formação e da aprendizagem nas empresas”, financiado pela Fapesp e realizado no período 1997-1999, permitindo a implantação de alguns desses softwares na formação dos operários e o estudo da efetividade dos mesmos do ponto de vista dessa formação. Assim, o software Jogo do Alvo foi utilizado na formação de operários que tinham a função de facilitadores e que foram responsáveis pela formação de seus colegas. Com essa metodologia, foi possível trabalhar com todos os funcionários de diferentes setores de produção da fábrica e mostrar que essa formação não só contribuiu para que cada operário melhorasse a performance no seu posto de trabalho, como também, implicou em um incremento de 5% na produtividade da empresa de modo geral, o que se comprovou por meio da pesquisa de doutorado de Klaus Schlünzen (2000).

O trabalho na fábrica continuou com base em outro projeto: “Uso da internet na formação colaborativa e descentralizada de funcionários de fábricas enxutas”, desenvolvido no período 2000-2002 e também financiado pela Fapesp, sob a coordenação da pesquisadora do Nied, Profa. Maria Cecília C. Baranauskas. Essa pesquisa deu continuidade ao que já vinha sendo desenvolvido e tinha como objetivo propor sistemas computacionais e metodologias para a formação a distância. Os sistemas computacionais e a rede Internet foram usados para a criação de ambientes de aprendizagem baseados na cooperação de todos os envolvidos, o que acontecia remotamente, via Internet.

O projeto com a empresa contribuiu, primeiramente, para diversificar o foco de atuação do Nied, que até então estava centrado na escola. Além disso, o contato com a organização empresarial permitiu entender os pressupostos das mudanças paradigmáticas que estavam sendo implantadas na produção de bens e de serviços que acabaram alterando substancialmente a atuação das empresas e de seus operários. Finalmente o grupo DAFE dedicou-se à organização de um livro com os principais resultados da pesquisa, cujo título provisório é “Aprendizagem na Era das Tecnologias Digitais” (Valente; Mazzone; Baranauskas, 2007).

 

Referências

BORGES, E.L.; BORGES, M.A.F.; BARANAUSKAS, M.C.C. Da simulação à criação de modelos: Um contexto para a aprendizagem na empresa. Proceedings of the VI  SBIE – Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, Florianópolis, SC, Brasil, 1995.
FERNANDES, L.D.; FURQUIM,A.A.; BARANAUSKAS, M.C.C. Jogos no computador e a formação de recursos humanos na indústria. Proceedings of  3rd. Congresso Iberoamericano de Informática Educativa. RIBIE Barranquilla – Colômbia, 1996.
VALENTE, J. A.; MAZZONE, J.S.; BARANAUSKAS, M. C. C. Aprendizagem na Era das Tecnologias Digitais. São Paulo: Editora Cortez.